Pinguim volta para o RJ para agradecer brasileiro que o salvou

Respeito, amor incondicional, amizade e conexão.

Substantivos abstratos que comumente usamos para definir relações entre seres humanos são as primeiras palavras que nos vêm à mente quando conhecemos a história do seu João Pereira de Souza e Dindim: um homem, um pinguim e uma esperança na humanidade

Dindim – é o apelido que ganhou da comunidade onde vive seu João – foi acolhido na praia de Ilha Grande, no Rio de Janeiro, com o corpo coberto por óleo, quase sem vida.

Sr. João cuidadosamente o alimentou, limpou e abriu o caminho do mar livre para que Dindim continuasse sua viajem a caminho da liberdade.

 

A surpresa

Para a surpresa de seu João e todos que acompanharam a recuperação de Dindim, o bichinho resolveu ficar mais tempo na companhia dos cuidados dos seus amigos humanos.

 

“Ele ficou comigo por 11 meses e depois… desapareceu!”

 – conta João.

No entanto, no ano seguinte Dindim estava de volta à porta de João.

De acordo com a professor de Biologia Krajewski, provavelmente Dindim acredita que João é um membro de sua família e o vê como um igual (um pinguim, no caso). Tem muito familiar que não volta para visitar pai e mãe!

“Eu nunca vi algo como isso antes” – diz Krajewski.

João diz que ninguém além dele pode tocá-lo.

 

Parece que, apesar de todo o amor, é pelo seu salvador que Dindim se afeiçoou. Por isso, contrariando sua própria natureza selvagem, o pinguim volta para seu lar na Patagônia todos os anos, mas passa boa parte do seu tempo no Rio de Janeiro, nadando, brincando e agradecendo João.

“Todos disseram que Dindim não voltaria, mas ele tem voltado para me visitar nos últimos quatro anos” – diz João.

O amor é a resposta?

Será que a opinião dos profissionais da área que acreditam que Dindim vê seu João como um pinguim? É impossível não acreditar no amor incondicional como responsável por uma relação tão puramente doce e genuína.

Dindim tem, todos os anos, a opção de viajar para outros lugares, migrar para outras partes da costa da América do Sul e, ainda assim, escolhe voltar para agradecer seu amigo. E faz isso, fielmente, desde 2011 – quando foi resgatado.

Compartilhe esse post com um amigo e ajude a espalhar boas ações. 🙂

Compartilhe com seus amigos

Recomendado para você

Sobre o autor: Daniel Henrique

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *