Gatos podem desenvolver doenças devido ao estresse

O estresse, um dos maiores vilões da vida moderna, também pode deixar seu gato bastante doente. E se ele for gordinho, o risco aumenta consideravelmente.

Gatos podem ficar doentes devido ao estresse

A chegada de um novo pet na casa, um programa de emagrecimento mal planejado, uma mudança de ambiente ou da rotina da casa, uma doença crônica – como pancreatite ou diabetes –, uma doença intestinal inflamatória ou um período pós-cirúrgico são alguns exemplos de situações que estressam o animal.

Como identificar se meu gato está estressado

  • Um dos sintomas mais comuns que podem indicar que nosso gato tem estresse é a marcação de paredes e móveis com as unhas. Se nosso felino nunca tinha deixado marcas em nosso lar e começa a arranhar de cima para baixo (arranhões verticais) qualquer zona da casa ou móveis grandes, como sofá, talvez sofra de estresse e esteja pedindo ajuda.
  • marcação com urina e defecações fora de sua caixa de areia, independentemente do sexo do gato, é outro dos sintomas do estresse felino. Ao achar que perdeu o controle, sente a necessidade de marcar o novo lar para recuperar seu território. Outro sintoma pode ser os tremores em nosso felino.
  • Adotar um comportamento agressivo ou morder de maneira obsessiva tecidos de lã ou similares são outros sintomas que um gato com estresse pode apresentar. Isto pode ser acompanhado de hiperatividade.

Como resposta ao estresse, os gatos param de se alimentar.

Atenção: O hábito de deixar a comida à vontade ou o fato de ter mais de um gato em casa pode atrasar a percepção do dono do problema.

E o jejum prolongado por alguns dias já é suficiente para desenvolver a lipidose hepática, uma doença causada pelo acúmulo de gordura no fígado. Três dias sem se alimentar podem ser suficientes para o animal desenvolver a doença. Os principais sintomas são anorexia (falta de apetite e recusa a comer mesmo forçado), vômito, salivação e mucosas amareladas (icterícia).

Leia também:

A Caixa de Areia Gera Riscos à Saúde do Seu Gato. Entenda o Porquê!

Tratamento

O diagnóstico é feito pelo veterinário, principalmente por histórico clínico e sintomas, além de exames de sangue que avaliam as enzimas do fígado, ultrassom de abdômen e citologia ou biópsia do fígado.

Para reverter o quadro, é necessário que o animal volte a se alimentar. Para isso, é colocada sonda gástrica. Assim, é feita a alimentação forçada em quantidade adequada, restabelecendo-se o metabolismo e as funções.

É fundamental também identificar a causa que levou à anorexia e tratá-la imediatamente. Esta doença pode levar à morte. Se diagnosticada precocemente, há mais chances de cura. Por isso, a prevenção sempre é o melhor remédio.

Resumindo

Evite alimentar seu gato em excesso. Animais gordinhos, ao contrário do que parece, são mais frágeis e muito mais suscetíveis a doenças. Evite alterações bruscas na rotina e situações causadoras de estresse. Muita cautela no manejo e tratamento de seu gato. Nunca dê medicamentos ou inicie uma dieta de emagrecimento sem a prescrição e acompanhamento veterinário. Isso pode causar danos graves à vida de seu pet.

Fonte: Fernanda Fragata (Época)

Compartilhe com seus amigos

Recomendado para você

Sobre o autor: Enciclopets

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *