Seu cachorro está agressivo com você? Veja os possíveis motivos.

Nos EUA, uma garota morreu após um ataque agressivo de seus cachorros. O caso chocou os moradores da pequena cidade onde ela morava, no estado da Virgínia.

Bethany Stephens, de 22 anos, criava desde filhote seus cães (que eram conhecidos por ser dóceis). Logo, um rumor de que um assassino estava à solta na cidade se espalhou, mas a polícia teve que divulgar detalhes da morte para mostrar aos moradores que os cachorros foram os responsáveis.

Bethany criava dois pitbulls – Tonka e Pac-Man. O ataque agressivo aconteceu durante uma caminhada no parque. Os cães avançaram e comeram parte das costelas da dona.

O caso levantou a questão: o que faz um cachorro se voltar contra o próprio dono de maneira tão violenta?

A polícia investiga o que levou os cachorros de Bethany a mudarem drasticamente de comportamento. Testemunhas disseram à polícia que algumas mudanças ocorreram na maneira como eram criados, o que poderia ter deixado-os estressados.

Mas, de maneira geral, existe uma série de fatores que podem levar os bichos a se exaltarem.

Seu cachorro está agressivo com você? Veja os possíveis motivos.

Eles não gostam de estresse

Segundo Sean Wensley, cirurgião veterinário da ONG PDSA (People’s Dispensary for Sick Animals), que trata bichos doentes, o cachorro fica agressivo quando se sente ameaçado.

“A motivação para eles morderem em geral é o medo”, diz ele. “Alguns também podem ser mais territoriais, o que pode resultar em uma agressão se estiverem guardando algo importante para eles, ou defendendo sua caminha favorita, seu potinho de comida.”

A treinadora Carolyn Menteith, especialista em comportamento animal, diz que muitos dos ataques acontecem em época de festas, e frequentemente não são os donos que são mordidos.

“O Natal costuma deixar os bichos estressados porque muitos donos pedem para que outras pessoas fiquem com seus cães enquanto fazem compras ou viajam”, diz ela.

O cachorro também fica estressado e agressivo com a casa cheia de convidados, crianças empolgadas correndo para lá e para cá, e a queda no número de vezes que são levados para passear.

As festas de ano novo, com explosão de fogos, também são momentos muito difíceis para os cães, que são mais sensíveis para o barulho do que nós.

“Somos uma espécie muito verbal. Quando não estamos nos sentindo confortáveis, dizemos alguma coisa. Mas os cães só têm a linguagem corporal para demonstrar isso.”

E é fácil de deixar passar as pistas que eles nos dão, especialmente numa época em que estamos muito ocupados, como no Natal.

Leia também:

Procure por sinais de dor

Independentemente da época do ano, donos de mais de um cão devem checar como eles estão se comportando um com o outro.

“Se eles exibem um comportamento competitivo, podem vir a agredir um ao outro e direcionar também essa agressão para o dono”, diz Wensley.

Um cachorro que normalmente é manso tem mais chances de atacar se estiver com dor – quer seja um machucado durante um acidente, quer seja um problema crônico.

 

Cuidado com as crianças

Dados do sistema de saúde britânico mostram que entre 2014 e 2015 mais de 7 mil pessoas precisaram de atendimento médico depois de serem “mordidos ou atacados” por um cachorro. Crianças pequenas estão entre as mais afetadas – foram 1.159 casos de crianças menores de 9 anos.

Uma pesquisa divulgada no periódico científico BMJ revelou que em 76% dos ataques as crianças foram atingidas nos lábios, no nariz ou nas bochechas, por causa da sua altura. Mordidas no pescoço são especialmente perigosas, porque a criança pode sangrar até a morte caso tenha a artéria rompida.

O veterinário Sean Wensley diz que crianças acendem um sinal de alerta na cabeça dos cães, que tem pouca experiências com elas.

“Um pequeno humano que se comporta de maneira inusitada, que faz barulhos e tenta apertá-los, que os pega no colo, balança as mãos… Isso faz com que eles fiquem com medo.”

Antes de atacar, cães normalmente mostram diversos sinais de ansiedade. Ele podem lamber os lábios, assumir uma postura baixa, puxar as orelhas para trás ou colocar o rabo entre as pernas. Crianças podem não detectar esses sinais – muitas podem até achar que um bicho mostrando os dentes está sorrindo.

Carolyn Menteith diz que, quando os cães de fato atacam, os donos frequentemente dizem que foi sem nenhum aviso. Mas, geralmente, o cachorro se mostrado ansioso por meses.

“Nós trazemos um cão para nossas vidas e depois não prestamos atenção no que eles demonstram”, diz ela.

Treinamento desde cedo

Ao avaliar se é seguro deixar seu cachorro com crianças ou adultos que eles não conhecem, considere experiências passadas. Ele está acostumado com os pequenos? Ele costuma se comportar de maneira agressiva quando não está com você?

“Um problema que vemos muito é filhotes que não são expostos a cenas e sons da vida diária”, diz Wensley.

“Eles podem ter nascido em canis com condições precárias no meio do nada, ou em uma região muito rural. Aí a pessoa compra o filhote pela internet, e ele é levado para uma família que vive em um ambiente urbano. E espera-se que ele entenda esse novo mundo.”

“Como consequência disso, o filhote pode acabar se tornando extremamente ansioso e medroso, e isso pode o tornar agressivo.”

O veterinário aconselha que os cães sejam treinados para evitar futuras agressões – e o ideal, segundo ele, é começar o mais cedo possível.

Fonte: BBC

Compartilhe com seus amigos

Recomendado para você

Sobre o autor: Enciclopets

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *